Facebook Twitter LinkedIn Youtube Flickr
topo livro_politicas_incent_inov_tecn_brasil

TD 2046 - Por que a Elasticidade-Câmbio das Importações é Baixa no Brasil? Evidências a Partir das Desagregações das Importações Por Categorias de Uso

Claúdio Hamilton Matos dos Santos, André Gaspar Cieplinski, Débora Pimentel e Gustavo Bhering /  Rio de Janeiro, março de 2015

Ao contrário do que sugerem a teoria econômica tradicional e a sabedoria convencional de boa parte dos macroeconomistas brasileiros, estudos recentes indicam que a elasticidade-câmbio das importações nacionais é baixa. Este trabalho procura racionalizar o referido resultado revisitando as estimativas das importações do país desagregadas por categoria de uso. Os resultados reportados sugerem que a baixa elasticidade-câmbio das importações agregadas reflete fundamentalmente aquela das importações de combustíveis, bens intermediários e de alguns tipos de serviços – notadamente, transporte, aluguel de equipamentos e pagamentos de royalties – que respondem por pouco menos de dois terços do total importado. Isso ocorre porque vários desses produtos têm pouca ou nenhuma possibilidade de substituição por similares nacionais, devido principalmente a deficiências estruturais na oferta nacional.

Palavras-chave:elasticidade-câmbio das importações; câmbio; importações desagregadas; categorias de uso. 

In contrast to what both traditional economic theory and the conventional wisdom among most Brazilian macroeconomists would suggest, recent studies point to a low exchange rate elasticity of Brazilian imports. In this study we provide a rationale for this result by revisiting the behavior of imports disaggregated in seven different categories. According to the results reported in this paper, the low exchange rate elasticity of total imports reflects the low elasticities of intermediate goods, oil and fuel, and services such as transportation, royalties, and rents paid on machinery and equipment; which amount to about two thirds of aggregate Brazilian imports. We find that several of these imports have low or null possibility of substitution for national products, due to structural deficiencies in Brazilian productive capacity.

Keywords: exchange rate elasticity of imports; exchange rates; disaggregated imports.

acesseAcesse o sumário executivoacesseAcesse o documento (3.930 KB) 


 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea