Facebook Twitter LinkedIn Youtube Flickr
topo td

TD 2131 - Condicionantes e Previsibilidade da Taxa de Poupança das Famílias Brasileiras: evidência microeconômica com as pesquisas de orçamentos familiares do IBGE

Marcos Antonio Coutinho da Silveira e Ajax Reynaldo Bello Moreira/ Brasília, setembro de 2015


O trabalho investiga os determinantes demográficos e socioeconômicos da taxa de poupança agregada das famílias brasileiras no passado recente. Os principais resultados são consistentes com as predições da teoria do ciclo da vida/renda permanente, adequadamente estendido para incorporar aspectos institucionais e estruturais da atualidade econômica brasileira, tais como restrições de crédito, principalmente para as camadas mais pobres da população, esquemas abrangentes de aposentadoria pública e transferências governamentais. Fica evidente a importância do ciclo da vida e dos choques transitórios na renda corrente para explicar as flutuações na taxa de poupança. Também são encontradas evidências para a existência de poupança por motivo precaução e para a existência de restrições de crédito, principalmente sobre as famílias de baixa renda. A base de dados usada no trabalho foi produzida pelas Pesquisas de Orçamentos Familiares do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (POFs/IBGE), referentes a 2002-2003 e a 2008-2009. Embora sejam a única fonte de observação microeconômica da poupança das famílias brasileiras, estas pesquisas não têm frequência anual. Desta forma, o trabalho aplica a decomposição de Blinder-Oaxaca para avaliar a pertinência empírica da projeção da poupança agregada das famílias brasileiras a partir de modelos econométricos estimados com dados produzidos por pesquisas de anos anteriores. Os resultados revelam uma significativa instabilidade dos coeficientes estimados, em decorrência de mudanças na resposta das decisões de poupança das famílias às suas características demográficas e socioeconômicas, o que implica projeções de poupança não plenamente confiáveis.


Palavras-chave: poupança das famílias; decomposição de Blinder-Oaxaca.

The paper investigates the demographic and socioeconomic determinants of aggregate savings rate of Brazilian families in the recent past. The main results are consistent with the predictions of the theory of the cycle of life/permanent income, properly extended to incorporate institutional and structural aspects of the Brazilian economy today, such as credit restrictions, particularly for the poorest sections of the population, comprehensive Public retirement schemes and government transfers. It is evident the importance of the cycle of life and transitory shocks on current income to account for fluctuations in the savings rate. They are also found evidence for the existence of saving for precautionary reasons. The database used in the study was produced by Household Research Budgets for 2002-2003 and 2008-2009. Although it is the only source of microeconomic observation savings of Brazilian families, this research has no annual frequency. Thus, the work applies the decomposition of Blinder-Oaxaca to assess the empirical relevance of the projection of aggregate savings of Brazilian families from econometric models estimated with data produced by research from previous years. The results show a significant instability of the estimated coefficients, as a result of changes in the response of household savings decisions to their demographic and socioeconomic characteristics, which implies savings projections do not fully reliable.

Keywords: household savings; Blinder-Oaxaca decomposition.


 

acesseAcesse o sumário executivoacesseAcesse o documento (800 KB) 

 

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea