Facebook Twitter LinkedIn Youtube Flickr
01/10/2015 18:29

Renovação da agenda de inovação e produtividade é necessária para o país

Especialistas buscaram no seminário construir propostas de políticas públicas para o setor a fim de enfrentar a crise

Pesquisadores do Ipea e representantes de instituições governamentais e da academia discutiram, na tarde desta quinta-feira, 1º de outubro, a renovação das políticas públicas brasileiras de inovação e produtividade. No debate, que ocorreu durante o seminário Agenda Estratégica para o Brasil, a diretora-ajunta de Estudos e Políticas Setoriais de Inovação, regulação e Infraestrutura do Ipea, Flávia de Holanda Schmidt Squeff, apresentou alguns pontos de um documento elaborado pelo Instituto, abordando desde as políticas recentes de inovação até diretrizes e propostas para uma nova agenda que aumente a capacidade de inovar da economia brasileira.

Squeff destacou que, sob diversas medidas e enfoques, a constatação é de que a produtividade no país não cresceu ou cresceu muito pouco desde o final da década de 70. “A gente acredita que as taxas de produtividade no Brasil estão muito ligadas à tecnologia e inovação, mas também a uma combinação de condições sistêmicas, que necessitam de aperfeiçoamento, no caso brasileiro, ligado à infraestrutura, à educação, à estrutura concorrencial, ao nosso ambiente de negócios”, afirmou.

Segundo a pesquisadora, nos últimos quinze anos, as políticas de inovação aportaram recursos mais significativos e desenharam um arcabouço institucional regulatório mais favorável ao desempenho inovador das empresas brasileiras. Mas, ainda assim, o desempenho que se tem aferido, especialmente para as pesquisas em inovação tecnológica, não é exatamente o esperado.

Angústia criativa
Quanto ao desenho das políticas, o diretor-geral do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), Carlos Américo Pacheco, disse acreditar que o documento do Ipea está corretíssimo ao ressaltar que o país tem um arcabouço institucional relativamente completo, mas demonstrou preocupação com o que chamou de “angústia criativa”: quando se cria muito e se pensa pouco sobre o insucesso das iniciativas de inovação.

Para o professor da Faculdade de Direito da FGV-RJ Daniel Vargas, “nenhum dos modos de compreender a crise e de como caminhar para resolvê-la colocou no centro das discussões o desafio concreto da produtividade”. Ele lembrou que há um pressuposto de que, realizado o ajuste, preservados os direitos e realizadas as garantias, reduzindo e racionalizando o Estado, a economia, como uma fênix, ressurja das cinzas e volte a crescer.

O presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Hernan Chaimovich, encerrou a sessão de discussões dizendo que não existe nenhum país que tenha saído de uma crise econômica profunda sem ciência, sem tecnologia e sem inovação. Segundo ele, o Brasil precisa pensar a universidade integrada ao sistema de produção tecnológica, como forma de desenvolver o país.

Vídeo: assista à íntegra da sessão 5

Vídeo: confira as entrevistas com os palestrantes do seminário

Leia o texto 'Inovação e produtividade: por uma renovada agenda de políticas públicas'

Saiba mais sobre o projeto Agenda Estratégica para o Brasil

Confira a programação do seminário

Veja as apresentações da Sessão 5:


- Hernan Chaimovich, presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientíco e Tecnológico (CNPq)

- Flávia de Holanda Schmidt Squeff, diretora-adjunta de Estudos e Políticas Setoriais de Inovação, Regulação e Infraestrutura do Ipea

 

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea