Facebook Twitter LinkedIn Youtube Flickr
noticias

10/08/2016 14:45

topo nota_tecnica

Nota Técnica - 2016 - agosto - Número 19 - Dimac

Reavaliando a vulnerabilidade externa da economia brasileira
 

Organizador: Fernando José da S. P. Ribeiro


icon pdf Acesse o PDF (1.2 MB)      

 

O objetivo deste trabalho é rediscutir a questão da vulnerabilidade externa da economia brasileira, à luz da teoria e em vista das novas condições da economia mundial e das transformações ocorridas na economia brasileira neste século, seja no período de crescimento acelerado (até 2010), seja na fase de desaceleração e crise que se seguiu. A partir de uma digressão sobre o comportamento histórico do saldo em transações correntes e de uma breve revisão da literatura teórica e empírica sobre o tema, o trabalho faz uma avaliação do grau de vulnerabilidade externa do país por meio de um conjunto de variáveis usualmente utilizadas na literatura como indicadores de vulnerabilidade externa. Ressaltamse duas conclusões principais. A primeira é que o país encontra-se, hoje, em uma situação razoavelmente confortável com relação à vulnerabilidade externa, especialmente em virtude da acumulação de um grande volume de reservas internacionais e de um perfil mais favorável do financiamento externo. Isso o tornou menos vulnerável a crises cambiais ou a problemas de financiamento externo no curto prazo. A segunda conclusão é que não houve avanços no sentido de superar problemas estruturais de forma a mitigar a vulnerabilidade externa de maneira mais perene, o que significaria ter condições de controlar os ciclos de expansão e retração do saldo em transações correntes, tornando sua trajetória mais equilibrada e compatível com a sustentação de uma taxa de crescimento razoável do PIB no longo prazo.

 

 

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea