Twitter
Youtube
facebook
Google +
Google +

 

td-banner

TD 2383 - Os Índices de Confiança Ajudam a Elaborar Previsões Econômicas Confiáveis?

Emilio Chernavsky, Brasília, abril de 2018  

 

Procura-se neste trabalho verificar empiricamente se alguns dos índices de confiança mais utilizados no país (Índice de Confiança da Indústria – ICI e Índice de Confiança do Consumidor – ICC, da Fundação Getulio Vargas – FGV; e Índice de Confiança do Empresário Industrial – ICEI e Índice Nacional de Expectativa do Consumidor – INEC, da Confederação Nacional da Indústria – CNI), cuja divulgação vem alcançando elevada e crescente repercussão, têm sido efetivamente úteis nos últimos anos para elaborar previsões confiáveis acerca da evolução de indicadores-chave do nível de atividade econômica. Buscou-se também avaliar o impacto da rápida reversão dos índices em maio de 2016 sobre a qualidade dessas previsões. Para isso, foi estimada uma série de modelos econométricos simples, incluindo e excluindo o período após aquela reversão, relacionando a evolução dos indicadores de atividade apenas à dos índices de confiança e, posteriormente, também à de um conjunto de indicadores macroeconômicos tradicionais, avaliando a significância conjunta dos parâmetros e o coeficiente de determinação² ajustado das equações. Os resultados mostraram que os índices analisados de fato podem contribuir para a elaboração de previsões sobre a evolução da produção industrial e das vendas no varejo. Entretanto, essa contribuição é muito heterogênea em função do índice e do componente considerado e, de modo geral, relativamente baixa, o que, associado ao reduzido tamanho das amostras utilizadas, recomenda cautela na interpretação das previsões elaboradas com base nesses índices. Tal cautela é ainda mais necessária em momentos como o verificado em 2016, quando a alteração da trajetória dos índices sem movimento concomitante nos indicadores de atividade reduziu seu poder preditivo na maioria dos casos.

Palavras-chave: índices de confiança; previsões macroeconômicas.

This paper intents to empirically verify whether some of the confidence indexes more popular in Brazil have effetively been useful in recente years to build reliable forecasts on the evolution of key indicators of economic activity, as well as evaluate the impact of the rapid reversion of the indexes in May 2016 on the reliability of those forecasts. With this aim a series of simple econometric models was estimated, including and excluding the period after that reversion, relating the evolution of activity indicators to that of the confidence indexes alone and, afterwards, also to a set of traditional macroeconomic indicators, assessing the joint significance of the parameters and the adjusted ² coefficient. The results showed the analyzed indexes are indeed able to contribute to the building of forecasts on the evolution of industrial production and retail sales. However, this contribution is very heterogeneous variating depending on the index being considered and, generally, relatively low, what, associated to the reduced size of the samples, recommends caution in the interpretation of the forecasts built on them. Such a caution is even more needful in moments like 2016, when the change in the indexes with no similar movement in the activity indicators reduced its predictive power in most of cases.

Keywords: confidence indexes; macroeconomic forecasting.

 

  acesseAcesse o sumário executivo  acesseAcesse o documento (2 MB)

 

 

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea