Facebook Twitter LinkedIn Youtube Flickr
23/02/2010 14:16

Boletim debate Lei do Bem e mão de obra na engenharia
Publicação Radar aborda também, em sua sexta edição, uma proposta de reclassificação das propriedades agrícolas

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) lançou nesta quarta-feira, 24, a sexta edição do boletim Radar: Tecnologia, Produção e Comércio Exterior. Produzida pela Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais, de Inovação, Regulação e Infraestrutura (Diset), a publicação traz três artigos.

Escassez de engenheiros: realmente um risco? contém uma avaliação do mercado de trabalho nas áreas de engenharia no Brasil. Censo agropecuário 2006: uma crítica ao recorte metodológico, o segundo artigo, defende que as políticas públicas de fomento ao setor definam a propriedade agrícola mediante seu grau de modernização tecnológica. Lei do Bem: impactos nas atividades de P&D no Brasil, mostra a evolução dos incentivos fiscais promovidos pelo capítulo da lei que trata do estímulo à pesquisa e à inovação tecnológica.

Escassez de engenheiros
Alguns setores empresariais e a mídia têm alardeado que, no caso de a economia brasileira crescer muito, poderá haver uma generalizada escassez de mão de obra especializada, particularmente de engenheiros. Entretanto, constata-se que, atualmente, há no Brasil cinco engenheiros em outras ocupações para cada dois que trabalham nas ocupações que lhes são típicas. Onde está o problema?

É do que trata o primeiro artigo. Os pesquisadores da Diset analisaram a evolução da formação e do emprego de engenheiros nos últimos anos no Brasil e estimaram suas perspectivas para os próximos anos.

Agricultura
O segundo artigo do Radar propõe uma reclassificação das propriedades agrícolas com base em uma matriz tecnológica. Com isso, defende o artigo, seria possível melhorar a focalização das políticas públicas voltadas para o setor agropecuário de modo a modernizá-lo e capacitá-lo como um todo.

Lei do Bem
Já o terceiro artigo discute os incentivos fiscais previstos no capítulo 3 da Lei nº 11.196/05, conhecida como Lei do Bem, que é atualmente o mais abrangente instrumento fiscal de estimulo à inovação no Brasil. O artigo do Radar mostra que grande parte dos gastos totais de custeio em P&D das empresas da indústria de transformação que acessaram a Lei do Bem foi direcionada às indústrias de petróleo, automobilística e aeronáutica, todas já consolidadas na estrutura produtiva brasileira.

A apresentação do boletim foi feita pelo diretor da Diset, Marcio Wohlers, e pela diretora-adjunta, Fernanda De Negri, e pelos autores dos artigos. O evento, seguido de entrevista coletiva, ocorreu no auditório do Ipea em Brasília (Setor Bancário Sul, Quadra 1, Edifício BNDES, subsolo) e teve início às 14h30. Houve transmissão online pelos sites www.ipea.gov.br e www.ipea.gov.br.

Leia a íntegra da sexta edição do Boletim Radar

Veja os gráficos sobre propriedades agrícolas

Veja os gráficos sobre Lei do Bem

Veja os gráficos sobre mão de obra na engenharia

 
 

Todo o conteúdo deste site está publicado sob a Licença Creative Commons Atribuição 2.5 Brasil.
Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
Expediente Portal Ipea